22 de dezembro de 2021

Nerd Cult News

O seu blog preferido de Cultura Pop

5 filmes de anime que ensinam mais do que aparentam

Podemos aprender muito com algumas obras, mas nos surpreendemos muito quando nos deparamos com algumas animações simples que aparentam ser apenas um momento de diversão, mas que no fim propõe muito mais do que aparentava, então hoje estamos trazendo a indicação de três filmes que ensinam bastante e se encaixam nesse quesito.

O Serviço de Entregas da Kiki

Kiki é uma jovem bruxinha, que está prestes a completar 13 anos e, para cumprir uma tradição de família, ela tem que partir na sua vassoura por um ano, sozinha para uma cidade qualquer e lá encontrar sua verdadeira vocação como bruxa. Kiki estava extremamente ansiosa pra partir em busca de se descobrir, mas na trajetória ela percebe que nada daquilo era realmente da forma como ela sonhou.
Todo mundo sabe que as animações do Studio ghibli são extremamente maravilhosas, e com o “O serviço de entregas da Kiki” não poderia ser diferente. O anime é de uma simplicidade imensa, daqueles que deixa o coração quentinho do início ao fim, mas que consegue trazer inúmeras lições nos mostrando de uma forma muito bonita como é difícil a trajetória de “crescer”, nos encontrarmos e descobrir aquilo que queremos ser, mas também nos mostrando que mesmo que as coisas não aconteçam da forma como queremos, elas acontecem da forma que é melhor pra nós. A animação foi um dos primeiros grandes sucessos do estúdio e continua marcando muitas pessoas desde então.

Hotarubi no Mori E

A animação traz a história de Hotaru e Gin. Hotaru é uma garotinha de 6 anos, que vai passar o verão na casa de seu tio. Enquanto está brincando pela floresta, ela acaba se perdendo e encontra com Gin, um jovem que diz ser um espírito que habita essa floresta, ele a ajuda a encontrar o caminho de volta e Hotaru promete voltar sempre no verão para vê-lo.
 
Ao decorrer da animação é revelado que Gin não pode ser tocado por humanos, pois quando era apenas um bebê, os seres da floresta lançaram um feitiço nele, se ele for tocado por qualquer humano ele “desapareceria”. É aí que começa toda a frustração, a amizade de ambos só vai crescendo ao longo dos verões em que eles passam juntos, a vontade de se tocarem só aumenta, causando um certo sofrimento.
 
O enredo é simples, traz aquela coisa famosa de “amor impossível”, mas a forma delicada e madura como é tratado é um enorme diferencial, em apenas 44 minutos podemos ver o enorme amadurecimento dos personagens e o florescimento do amor que ambos nutrem um pelo outro. O fato deles não poderem se tocar, só aumenta as inúmeras barreiras impostas entre os dois, é tratada de uma forma linda e pura. Toda a animação em si é muito bonita, principalmente pelos traços suaves e bem detalhados.

Ookami Kodomo no Ame to Yuki (Crianças Lobo)

Hana, uma jovem universitária se apaixona por um lobisomem, ambos vivem felizes, tendo dois filhos, Yuki e Ame, mas após a morte de seu marido, Hana precisa cuidar de ambos os filhos lobisomens, assim como o pai —, vivenciando as dificuldades e aprendendo a como lidar e criar os dois.
 
Essa animação é uma grande surpresa para quem a assiste, principalmente por ser algo completamente diferente do que é esperado ao ver o título e a sinopse.
Toda a história é focada em Hana e em sua batalha diária para criar duas crianças pequenas sozinha, com o diferencial que ambos são metade lobos. É uma história incrível, que retrata aquela relação linda de mãe e filhos, além de nos mostrar toda a dificuldade de ser “mãe solo”, algo bem comum nos dias atuais e que hoje temos as escolhas tomadas pelas mães em questão, extremamente questionadas pela sociedade. Hana deixa a faculdade e o trabalho, se sustentando apenas com economias que possuía, além de escolher não matricular seus filhos na escola logo cedo e se mudar pra um lugar distante da cidade grande principalmente por causa de ambos serem metade lobos . Mas toda a trama, é algo que compactua muito com tudo que vivenciamos no dia a dia e que nos faz questionar e aprender.

A voz do silêncio (Koe no Katachi)

Ishida Shouya é um jovem intimidador que atormenta a todos da sua sala, após Nishimiya Shouko, uma nova aluna que possui deficiência auditiva ser transferida para sua sala, Ishida começa a atormenta-la, levando a menina a sofrer uma série de bullying, não só por parte dele, mas também pela maioria da sala. Shouko sempre esteve disposta a tentar fazer amizade com ele, mas o tormento só aumentava, fazendo com que a garota até perdesse seus aparelhos auditivos (que são caríssimos) na mão do garoto. A mãe de Shouko retira então a menina da escola, com medo de tudo que ela está sofrendo e por não ter mais condições de comprar aparelhos auditivos para ela. Anos depois, Ishida tenta se redimir pelo seu passado.
 
Tudo aqui é muito bonito e bem feito, tornando o filme muito bom de assistir, porém tudo o que a Shouko passa é bastante ruim e traz um grande sentimento de tristeza e aflição, o que é bem importante de ser mostrado principalmente quando vemos que Shouya acaba pagando por tudo aquilo que fez seus colegas sofrererem, se tornando um jovem ignorado e sem amigos, tendo que conviver apenas com um grande peso na consciência. É muito bonito podermos ver a redenção dele e toda a batalha para “consertar” tudo o que ele havia feito de ruim, isso nos mostra que as pessoas são capazes de mudar e que nunca é tarde demais para correr atrás de consertar os erros. Todo o filme é uma grande mensagem e aprendizado.

A viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no Kamikakushi)

Chihiro e seus pais estão mudando para uma nova casa, mas no caminho acabam mudando um pouco a trajetória e encontram uma “cidadezinha”. Ao explorarem o lugar, os pais de Chihiro que estavam morrendo de fome se deparam com uma mesa imensa repleta de comida, não pensando duas vezes eles começam a comer, mas acabam sendo transformados em porcos, descobrindo que está em uma cidade mágica onde uma bruxa reina e quem a desobedece se transforma em animais. Ela, agora, precisa então encontrar uma forma de salvar seus pais e sair daquele lugar.
 
Assim como a maioria dos filmes do Studio Ghibli, A viagem de Chihiro é de uma imensa simplicidade, mas repleto de mensagens importantes. Ao decorrer da história vemos o crescimento dos personagens, principalmente da Chihiro, que se torna mais madura e forte, quase como um rito de passagem, de crescimento, a personagem vai evoluindo, nos fazendo perceber que é realmente assim que a vida é para todo mundo. A animação é cheia de detalhes e mesmo assistindo mais de uma vez, a cada vez que assistimos nos deparamos com coisas novas que não havíamos visto anteriormente, assim como se assistirmos em cada etapa de nossas vidas, poderemos tirar uma mensagem diferente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Uma empresa criadora de conteúdos nerds e agora também um clube de assinatura.