24 de agosto de 2022

Nerd Cult News

O seu blog preferido de Cultura Pop

House Of The Dragon | Todos os Dragões que já apareceram no universo de GOT

16 min read

A nova série da HBO, A Casa do Dragão, ou House Of The Dragon no original, estreou no último fim de semana, trazendo muitas intrigas políticas, sangue e fogo. E por falar nesse elemento, os Dragões são a cereja do bolo, o que todos estavam esperando enlouquecidos para ver, e nesse primeiro episódio já tivemos a aparição de dois desses grandes seres mitológicos e lendários.

Mas você conhece eles? Sabem a quem eles servem? Quantos existem ou existiram dentro da saga de livros de George R.R. Martin? Caso não, aqui listamos tudo o que precisa saber sobre essas belas criaturas do imaginário.

Mas antes, confira:

A Casa do Dragão | Tudo o que aconteceu no 1º episódio

História dos Dragões

Dragões são nativos do continente de Essos, e foram descobertos 5 mil anos atrás pelos Valirianos nos Quatorze Chamas, um anel de vulcões na Península de Valíria. Nesse período, eles se tornaram os grandes mestres da arte de cria-los, usando-os como armas em guerras para erguer um grandioso império.

Após anos do império, a Perdição de Valíria acabou chegando, destruindo e exterminando tudo e todos que viviam ali, entretanto, alguns poucos dragões que se sabe terem sobrevivido pertenciam aos Targaryen da Pedra do Dragão.

Os Targaryen os usaram para conquistar e criar em sangue e fogo os Sete Reinos, deixando claro que eles eram os novos lordes e soberanos daquelas terras. Assim, no decorrer de 150 anos, eles montaram seus dragões como símbolo de poder, algo que por si só já era algo grandioso. O Rei Jaehaerys I, levou seis deles consigo para uma visita ao Protetor do Norte, para postar sua força e grandeza. Foi construído o Fosso do Dragão em Porto Real, algo que é visto na série, para abriga-los, e mantiveram no mínimo 19 criaturas, algo que se confere com o número de crânios guardados nos porões da Fortaleza Vermelha.

Com o passar dos séculos, os dragões pereceram, a maioria deles tendo sido morta na Dança dos Dragões, e nas gerações seguintes não tornaram-se tão grandes como seus pais.

O último dragão foi uma criatura atrofiada, doente e deformada, morta durante o reinado de Aegon III, que por isso foi chamado de Veneno de Dragão. Era uma fêmea verde pequena e com asas murchas, que acabou tendo 5 ovos, mas nenhum nunca chocou. Por essa questão, Meistres tem sugerido que dragões deveriam estar sob o céu ao invés de presos em gaiolas ou celas do Fosso do Dragão, apesar de gigantescas estruturas, algo que faz total sentido, afinal, a evolução da espécie vinha muito de seu tratamento e seu mundo ao redor, se ficassem soltos como deveriam ser, eles se desenvolveriam muito melhor, porém a forma de adestrar e controlar seria algo mais difícil, entretanto, engaiolados e sem espaço original para se exercitarem e se criarem, a forma de adestrar era mais fácil, mas as chances de eles criarem certas deformações, também acabam sendo normais.

Após sua extinção, as únicas reminiscências dos dragões são seus crânios, e alguns ovos petrificados, algo que acabou virando uma cobiça por colecionadores dos mercados negros, tendo visto que é algo difícil e único de se conseguir. O valor é algo fora do normal, sendo milhares de vezes muito mais caro do que até mesmo um castelo em um local de grande potencial. Outro ponto interessante, apesar de estarem petrificados, há ainda um resquício de chance de choca-los, porém, houve muitas tentativas fúteis de dar origem a eles.

Vários tentaram, mas nenhum conseguiu, assim, com o passar dos anos, a arte de domar e comandar os dragões a ponto de cavalgá-los é considerada perdida, se tornando uma lenda entre os povos dos Sete Reinos, porém, ainda existe alguns livros excepcionalmente raros.

Anos se passaram, a lenda acabou se tornando um conto, e aqueles que ainda acreditam, são creditados como loucos, apesar dos crânios e vestígios em Porto Real, mas, uma chama acaba de surgir, uma mulher que se mostrava como uma herdeira do Trono de Ferro e dos grandes répteis alados, Daenerys Targaryen acabou chocando 3 ovos, ao sacrificar Mirri Maz Duur na pira funeral de seu esposo, e em seguida, ela adentra nas chamas, concluindo o ritual. Com a troca feita, vida por vida, nasceram os primeiros dragões em mais de 150 anos. Segundo lendas, um dragão pode ser domado pelo som do Berrante do Dragão.

Os Dragões de House Of The Dragon

Syrax

Dragão de Rhaenyra Targaryen, tem um tom de verde com escamas amarelas, seu nome vem de uma deusa valiriana, sendo assim uma dragão-fêmea.

Ela era enorme e formidável, mas havia um pequeno detalhe que a deixava bem para atrás em comparação a sua raça. Por não ser experiente em batalha e nem tão temível, ela acabou servindo apenas como um montaria em sua grande parte de sua vida. Isso também vinha do fato que por estar sempre mantida em correntes e extremamente bem alimentada, ou seja, total submissão, ela não tinha a noção e nem a expertise necessária para ser uma dragão por completo.

Suas menções e aparições nos livros foram: “O Mundo de Gelo e Fogo” (Mencionada), O Príncipe de Westeros” (Mencionada), A Princesa e a Rainha” (Aparece) e “A Dança dos Dragões” (Mencionada).

Sua História

Rhaenyra tomou ela como uma montaria pela primeira vez 104 AC, quando a princesa tinha sete anos de idade, algo que era muito comum para quem era da casa dos Targaryen, afinal, precisavam ter um vinculo com seu dragão. Nessa época, Syrax era jovem, facilitando ainda mais o adestramento e até mesmo a maneira que ambas iriam se conectar.

Durante o reinado de Viserys I, Syrax tinha colocado várias ninhadas de ovos, aumentando em muito o poder de fogo do rei. Sua última ninhada foi produzida antes da guerra civil. Um dos ovos dessa última ninhada foi dado a Rhaena, a enteada de Rhaenyra.

Em Porto Real, Syrax foi mantida dentro das muralhas da Fortaleza Vermelha em um estábulo na ala externa que havia sido esvaziado de cavalos e cedido seu uso, algo que se tornaria algo um tanto estranho para aqueles que nunca viram um dragão em um estábulo. As correntes eram longas o suficiente para que ela tivesse uma locomoção adequada, indo e vindo dentro de sua área, porém, o limite era esse, não podendo voar sem um cavaleiro.

Seu fim chegou no rescaldo do Assalto ao Fosso dos Dragões, onde o príncipe Joffrey tentara montá-la para cavalgar até o Fosso, para salvar os outros dragões, e talvez montar seu próprio. Mas, eles não cavalos, não mostrando uma certa facilidade e normalidade, já que eles aceitam apenas uma montaria de cada vez.

Durante o voo, Syrax deslizou Joffrey de seu torso, que caiu para a morte. Atraída pelo derramamento de sangue, ela continuou no Fosso dos Dragões. Arquimeistre Gyldayn notou que ela poderia simplesmente ter ficado no ar e sobrevoado a multidão, lançando suas chamas e matando inúmeros durante o seu percurso, mas aos invés disso, ela optou descer e ficar no chão, triturando dezenas com seus dentes e garras.

A inúmeros e contraditórias relatos sobre como especificamente Syrax morreu, e Gyldayn não os detalha, mas o que é certo é que ela simplesmente morreu lutando.

Caraxes, o Blood Wyrn

Dragão de Daemon Targaryen, sendo um dos maiores e mais antigos da família. Além disso, suas escamas são vermelhas, contendo dois chifres menores em cada canto de sua cabeça, acima dos olhos. Seu apelido é Blood Wyrn e foi de Aemon Targaryen no passado.

Ele era imenso e magro, um verdadeiro facho de sangue nos céus com o seu tom avermelhado. Em batalha era formidável, temível e experiente, famoso por sua ferocidade, e com o passar dos anos, sua reputação só o aumentou, o deixando cada vez mais exuberante e esplêndido.

Suas menções e aparições nos livros foram: “O Mundo de Gelo e Fogo” (Mencionado), O Príncipe de Westeros” (Mencionado), A Princesa e a Rainha” (Mencionado), “Fogo e Sangue” (Mencionado).

Sua História

Durante sua juventude, Caraxes viveu no Fosso dos Dragões, onde se destacou pela ferocidade, que lhe valeu o apelido de Blood Wyrn, dado pelos Guardiões de Dragão. No ano 72 d.c., o príncipe Aemon Targaryen se torna o cavaleiro de dragão, e acaba domando e montando naquele feroz gigante vermelho.

Juntos, eles combateram notavelmente durante a Quarta Guerra Dornesa em 83 d.c. ao lado de seu pai Jaehaerys I, quem montava Vermithor, e seu irmão Baelon que montava o grande Vhagar. Durante a terceira lua de 92 d.c., Aemon voou com Caraxes para a Ilha de Tarth, onde os piratas myrianos causavam problemas ao reino. Durante a noite, junto ao Lorde Cameron Tarth, eles traçaram seus planos de ataque enquanto o dragão devorava uma dúzia de cabras. Porém, as fogueiras atraíram a atenção dos batedores de Myr, fazendo com que um deles reconhecesse o Lode Tarth, atirando com um virote de besta, mas que acabou atingindo o príncipe Aemon, que acabou perecendo no local.

Anos mais tarde, Daemon Targaryen reivindicou Caraxes para si, fazendo com que se tornasse um dos cavaleiros que tinha um dos dragões mais mortais nos céus. O príncipe passava muito tempo nas costas dele, realizando muitas viagens até Pedra do Dragão, e carregando presentes para sua sobrinha Rhaenyra, a quem tinha um enorme carinho.

Entretanto, em 105 d.c., o Rei Viserys I, seu irmão, declarou a filha Rhaenyra sua herdeira legítima, deixando Daemon fora da sucessão direta para o Trono de Ferro. Furioso, ele partiu para Pedra do Dragão em Caraxes com sua amante, Mysaria.

No anos seguinte, aliou-se ao Lorde Corlys Velaryon para atacar a região dos Degraus, que estava sob o domínio da Triarquia. Seus inimigos careciam de dragões, o que tornava Caraxes mortal para aquela situação, embora, seus inimigos tenham aprendido a se esconder quando ouviam os bateres de asas do Blood Wyrn, que eram imponentes perante o seu poderio.

Após longos anos, Daemon retornou a Porto Real com Caraxes para atender o torneio concedido em honra ao quinto aniversário de casamento de seu irmão e Lady Alicent Hightower. Ele permaneceu na cidade por pelo menos 6 meses, durante os quais regularmente passeava em seu dragão acompanhado por sua sobrinha, Rhaenyra e sua dragão Syrax.

Muitos anos se passaram chegando ano ano de 129 d.c., quando o rei Viserys I morre, desencadeando a então chamada Dança dos Dragões (bonito nome não?), a guerra entre os Dragões Negros de Rhaenyra e os Verdes de Aegon II Targaryen.

Daemon é o consorte de Rhaenyra, Caraxes é um dragão ainda mais precioso, além de ser um dos mais antigos e vivos experiente o suficiente para lidar com a situação. Mas nem tudo são rosas, Daemon acaba sendo cauteloso, recusando-se a correr o risco de colocar os dragões negros contra os verdes, já que o resultado de tal luta seria algo totalmente incerto e sem um ganho real. Assim, ele desenvolve uma estratégia, onde os dragões serviriam menos como armas, aliviando a pressão que estava se instalando. Organizando então um assalto a Harrenhal, a fim de fornecer a seus aliados um ponto de encontro seguro, onde podem armar quaisquer estratégia de ataque ou de defesa.

Caraxes e Daemon partem para as terras fluviais rumo a Harrenhal, onde pousa em Torre da Pira do Rei, lá ele acaba conquistando a fortaleza sem nenhum esforço. Com os partidários de Rhaenyra reunidos em Harrenhal, ele lidera uma curta campanha contra os apoiadores de Aegon II montado em Blood Wyrn.

Anos mais tarde, após duros anos de batalha, Daemon acaba abandonando a fortaleza vazia para retornar a Porto Real. A aparição de Caraxes dá o sinal à Patrulha da Cidade de Kings Land, que ainda é leal ao príncipe. No céu da capital, ele e seu dragão dão de encontro com Rhaenyra e Syrax, assim eles voam e pousam na Fortaleza Vermelha, para se certificar de que não estão em perigo, antes de sinalizar para que sua sobrinha desça.

Nesse momento, a chegada de Caraxes faz fugir todos os intrusos de Harrenhal, desde o abandono do castelo. Daemon vagueia pelos corredores do local com seu dragão, esperando por 13 dias, antes que seu sobrinho Aemond chegue montado em Vhagar.

Um dos momentos mais simbólicos há de acontecer quando os 2 dragões se olham e Caraxes cospe faíscas e abre suas asas, mostrando seu tamanho e sua ferocidade a seu antigo amigo Vhagar. Enquanto isso, os dois príncipes ficam trocando diálogos, antes de decolar, mas Daemon não gosta das correias que tradicionalmente conectam o cinto do cavaleiro à sela do dragão. Agora mais leve e mais rápido, Caraxes sobe rapidamente até as nuvens como uma flecha, onde se esconde Vhagar.

Após um breve silêncio entre as nuvens, ele finalmente se lança sobre ela, sibilando e cuspindo fogo, fazendo com que os céus se tinjam de com chamas e sangue quando os dois acabam se atracando um no outro enquanto caíam. Vhagar acaba rasgando a barriga de Caraxes com suas garras enquanto seus dentes arrancaram uma das asas, assim, em uma queda mortal, os 2 dragões caem nas águas do Olho de Deus.

Segundo o que dizem, Daemon saltou de sua sela, mergulhando Irmã Negra (espada) no olho de seu sobrinho assim que os dragões tocaram a água. A água que espirrou de seu mergulho atingiu a altura da Torre da Pira do Rei, a mais alta em Harrenhal.

Vhagar acabou não sobrevivendo a força da queda, e Caraxes, de alguma forma sobreviveu o suficiente para sair d’água e ir para praia mesmo com sérios danos, porém, ao se arrastar, ele acabou morrendo em frente as muralhas de Harrenhal, e o corpo de Daemon, que tinha conseguido pular e fugir da queda, nunca foi encontrado.

Os Dragões de Game Of Thrones

Drogon, a Sombra Alada

Com escamas pretas, chifres e placas vermelho sangue, dois olhos poços vermelhos fumegantes e seu sangue é negro. Drogon era o maior e mais feroz entre os 3 dragões de Daenerys. Nascido no Mar Dothraki, ele foi batizado em homenagem ao marido dela Drogo. Além disso, suas chamas são uma mistura de negro e vermelho, e seu calor emanado pode ser sentido a vários metros de distância. Outro destaque é o bater de suas asas, algo como um trovão em meio as nuvens.

Foi considerado a reencarnação de Balerion, o Terror Negro, mas Daenerys decidiu dar um novo nome para uma nova vida.

Sua primeira aparição foi no livro “As Crônicas do Gelo e Fogo”.

Sua História

Ainda como um ovo negro como o mar da meia noite, com padrões de ondinhas vermelhas e redemoinhos. Foi nesse momento que Daenerys entregou o corpo de Drogo, junto com a própria Mirri Maz Duur e os 3 ovos, fazendo com que enfim eles chocassem.

Daenerys chegou em Qarth, onde Drogon e seus irmãos foram considerados uma atração aparte e maravilhosa. Ao receber a notícia de que Robert Baratheon havia morrido, o pequeno dragão silvou e uma fumaça branca ergueu-se diante do rosto dela com um véu. Além disso, após adentrar na Casa dos Imortais, ele a acompanhou, e uma vez lá dentro, reagiu às visões que Daenerys teve. Logo depois, os Imortais atacam eles, e Drogon contra-ataca, defendendo sua mãe, incendiando o prédio e na destruição dos Imortais.

Nessa fase, Drogon já está um pouco maior, quando Daenerys decide comprar um exército de Imaculados em Astapor, e como pagamento, ela oferece um de seus dragões, nesse momento, os Bons Mestres exigiram Drogon, por ser maior, mais saudável e interessante. No entanto, não passava de uma isca para comandar seu novo exército em tomar posse e saquear a cidade, resultando na morte dos mestres e na devolução de seu amado dragão. Na série vemos ela usando o Dracarys contra um dos mestres, o queimando vivo.

Em um momento conturbado de seu império que estava sendo construído, Daenerys acaba tendo que tomar algumas decisões sobre seus dragões, principalmente sobre Drogon, que estava aterrorizando tudo e todos que ficassem em seu caminhos. Nesse curto momento, ela acaba perdendo um certo respeito de seus dragões, que há viam como uma pessoa diferente do que deveria ser, assim, eles acabaram se tornando um tanto rebeldes e agressivos, enquanto isso, Drogon estava sumido. Após longos dias sem ter sinal dele, ele reaparece durante um evento na arena de batalha, onde foi atraído pelo barulho e pelo cheiro de sangue. Na série vemos alguns homens tentando atacar Daenerys, e Drogon chega ao seu resgate.

Tempo depois eles acabaram se unindo há Jon Snow, e juntos enfrentam o Rei da Noite no norte de Westeros, e após uma batalha sangrenta se reagruparam para ir ao sul, e conquistar Kings Land. Chegando lá, eles atacam a cidade a destruindo, e quando Daenerys chega ao Trono de Ferro, acaba sendo morta por Jon Snow, que não tinha outra opção se não acabar com o ciclo de sangue e fogo. Assim, Drogon, leva sua mãe para além do Mar Estreito, e some para nunca mais ser visto.

Rhaegal

Possuindo escamas verdes, mais parecido com um musgo na floresta profunda, seus olhos são cor de bronze, mais brilhante do que um escuro polido e brilhante com seu próprio calor e sua chama é laranja com tons amarelos atravessada por fios verdes.

Seu nome é em homenagem ao irmão de Daenerys, Rhaegar Targaryen.

Sua primeira aparição foi no livro “As Crônicas do Gelo e Fogo”.

Sua História

Nascido a partir do ritual fúnebre no Mar Dothraki, assim como seu irmão Drogon, Rhaegal era o segundo entre os 3, se mostrando muito bem comportado, mas que ainda se comportava como um jovem, diferente de seu irmão Drogon, que era agressivo, forte e dono de si só. Seu ovo era de um verde profundo, com manchas de um lustroso bronze que iam e vinham, dependendo do modo como ele ficava exposto a luz, ou era virado.

Dificilmente se vê Rhaegal e Viserion afastados, geralmente estão juntos e no mesmo plano da história. Durante o Saque de Astapor, ajudou na destruição dos Bons Mestres.

Quando Drogon havia sumido, Rhaegal junto de seu outro irmão, foram aprisionados nos calabouços para não oferecer mais perigos aos cidadãos, algo que se descobriu, foi uma péssima ideia. Mais tarde, Quentyn Martell invadiu o fosso dos dragões e tentou domá-los, mas foi mortalmente ferido com o fogo de dragão. Na confusão, ambos acabaram fugindo e ficaram sobrevoando a cidade.

Agora livre, Rhaegal fez um novo lar na pirâmide negra de Yherizan, um imenso covil escuro como uma mulher gorda adornada com brilhantes joias cor de laranja, um local que acabou se tornando uma ruína fumegante com seus antigos ocupantes mortos ou refugiados.

Segundo Barristan Selmy, havia observado que Rheagal se mostrava muito mais perigoso do que seu irmão, Viserion, algo que atentou a todos ao redor, afinal, até o momento Drogon era o mais perigoso entre os 3, mas agora havia outro que estava começando a se mostrar mais mortal.

Tempos depois, quando Jon Snow e Daenerys acabam formando uma aliança, é descoberto que ele também tinha sangue dos ancestrais dela, assim, ele acabou tendo Rhaegal como seu dragão de montaria durante a batalha conta o Rei da Noite.

Mais tarde acaba sendo morto nos mares da encosta de Kings Land, onde foi mortalmente ferido por dardos de escorpião, lanças imensas criadas especificamente para matar dragões. Após ser acertado por 3 desses dardos, uma chuva de sangue de dragão acaba caindo sobre o oceano e aqueles que haviam atacado, e logo em seguida o dragão cai no mar, criando um sentimento de raiva e ódio no coração de Daenerys, que havia perdido mais um de seus filhos, dando inicio a um mar de sangue e fogo na cidade.

Viserion

Com escamas nas cor de creme, com chifres, ossos das asas e sua linha espinhal em um coloração dourada. Seus dentes são adagas negras brilhantes, os olhos são duas piscinas de ouro derretido e sua chama é ouro pálido com raios de vermelho e laranja. Sabe-se também que ele é o mais dócil entre os 3 irmãos que nasceram no Mar Dothraki, não que isso seja uma boa ideia sair metendo a mão nele.

Seu nome é em homenagem ao irmão de Daenerys, Viserys Targaryen. Viserion solta um rugido reconhecendo seu nome.

Sua primeira aparição foi no livro “As Crônicas do Gelo e Fogo”.

Sua História

Nascido ao lado de seus outros dois irmão no Mar Dothraki, após o ritual Mirri Maz Duur, Viserion foi o terceiro a nascer, finalizando todo aquele ritual feito para que os 3 ovos chocassem. Seu ovo era de um tom pálido de creme riscado de ouro.

Viserion teve uma parceria muito grande junto ao seu irmão Rhaegal, eram praticamente inseparáveis, e era visível que tinha um respeito muito grande ao seu outro irmão Drogon, que era maior e mais forte. Por diversas vezes se via que ele era mais dócil, além de ser o menor entre os 3, pousando nos ombros do capitão mercenário Ben Mulato Plumm, tendo um certo carisma com ele.

Mais tarde, ele acaba se tornando um tanto rebelde, mas isso por conta de seus irmãos, que não estavam em boa harmonização com sua mãe Daenerys. Mas no fim ele era o mais respeitoso com ela entre eles.

Durante a expedição ao norte, para salvar Jon Snow e seus homens para além da muralha, Viserion acaba encontrando a morte nas mãos do Rei da Noite, que mais tarde acabou reanimando o dragão, se tornando uma arma em suas mãos. Nesse momento sua coloração havia mudado para um tom mais pálido de gelo, com olhos azuis em chamas mortas.

Quando a batalha pelo norte se iniciou, Viserion acaba se deparando com seus dois irmãos, e durante uma luta alada ele acaba sendo derrubado. Porém, sua morte só se concluiu quando Arya Stark mata o Rei da Noite, destruindo todos os mortos vivos e colocando um ponto final na batalha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Uma empresa criadora de conteúdos nerds e agora também um clube de assinatura.