14 de janeiro de 2022

Nerd Cult News

O seu blog preferido de Cultura Pop

Primeiras Impressões | O Pacificador: James Gunn abraça o ridículo, mas deu certo?

3 min read

Depois da controversa versão de Esquadrão Suicida, por James Gunn, chegou hoje ao HBO Max seu primeiro spin-off, O Pacificador, que contará os desdobramentos das escolhas do vilão após o filme. Então, assistir ao longa antes de começar a série é um requisito quase indispensável.

Com o retorno de vários personagens do filme e também do diretor, a primeira série derivada diretamente do universo cinematográfico da DC, promete surpreender. Você pode conferir aqui mais sobre o elenco.

A série contará com episódios semanais, mas o três primeiros já estão disponíveis na plataforma.. Serão oito episódios no total.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Com ótima fotografia, abertura peculiar que beira o ridículo cômico e uma trilha sonora impecável — marca registrada de James Gunn —, os primeiros episódios são empolgantes e geram boas expectativas para o que está por vir.

A série começa com o Pacificador recebendo alta após sair quase ileso de sua traição ao grupo da Força Tarefa X – O Esquadrão Suicida. Em um primeiro momento ele acredita estar livre de toda aquela situação e longe das garras de Waller, mas logo descobre que estava sendo vigiado por uma equipe instruída a acompanhá-lo e a fazê-lo cooperar com a instituição e os planos dela. O primeiro episódio é bem introdutório e apresenta novos rostos a trama, como a agente Leota Adebayo que contrasta com o herói e promete muito a série, por suas conexões e comportamento empático e amigável. Além de reintroduzir personagens do filme, como os agentes Emilia Harcourt e John Economoss, que consideram o trabalho uma punição por se rebelarem contra Waller em apoio a Força Tarefa X (no filme).

O personagem de John Cena aparenta estar muito diferente do que vimos nas telonas, com uma personalidade mais flexível e em dilema moral sobre suas atitudes. Também o vemos mais comunicativo e sentimental, nas cenas em que lida com seu pai Augie Smith e reencontra sua águia de estimação. Ao longo desses episódios, ele relembra os acontecimentos que viveu com a Força Tarefa X e se questiona muito. Em outros momentos conseguimos dar boas risadas com o grandalhão desastrado que ele é, em situações inusitadas.

Em outros arcos, o personagem demonstra interesse por Emilia, que o despreza, fazendo-o se impressionar ainda mais com a colega de equipe, será que vai vir romance improvável por aí? Podemos ver também a relação dele com o Vigilante que logo se junta a equipe, trazendo mais personagens caricatos, problemáticos e peculiares a história.

Todas essas pontas podem parecer muito aleatórias para uma série que lançou apenas três episódios, mas a capacidade de James Gunn em fazer tudo fluir e sincronizar, deixa a trama amarrada e consegue fazer quem a assiste, querer mais.

A expectativa é positiva e o fim do terceiro episódio deixa a trama iniciada após todo o arco introdutório, onde aprendemos que a equipe precisa saber conviver como um time para enfrentar o projeto Borboleta, espalhado pelo mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Uma empresa criadora de conteúdos nerds e agora também um clube de assinatura.